HQ e Mangás

Mangá – Witches

O verdadeiro segredo é e sempre será um segredo.

91RA-g9QJfLUm dos mais recentes lançamentos da Editora Panini, Witches é um mangá que foge um pouco dos padrões de publicação da editora, que na maioria dos casos sempre aposta nos títulos mais populares do momento ou que estão no hyper por conta de alguma versão animada!

Witches como o próprio título já denuncia conta a historia de bruxas, mas não aquelas dos contos de fadas cheias de invejas e rancor pelas princesas tal como nos é mostrado atrás dos contos da Disney, ou ainda aquelas bruxas horrendas com verruga no nariz pontudo e que devora criancinhas no meio da floresta, as típicas bruxas dos contos dos irmãos Grimm.

A obra é fechada em dois volumes, aqui irei focar apenas no primeiro, pois foi o único lançado até o momento do fechamento dessa resenha. Nesse primeiro volume temos uma coletânea de duas historias distintas. A primeira intitulada “Spindle” é dividida em duas partes e se passa na Turquia dos dias atuais. Ela tem duas abordagens, a primeira é de uma jovem garotinha que vive em uma tribo nômade longe da capital. Essa tribo vive do pastoreio de ovelhas e do fiar de fios de lança para a confecção de tapetes. Após a jovem Shiral receber uma “mensagem” que foi transmitida através do fiar de um tapete ela precisa entregar essa “mensagem” para alguém na capital e parte na sua jornada. Na a segunda abordagem dessa história esta com uma mulher chamada Nicola que no passado após ser rejeitada partiu para a Inglaterra e agora esta de volta a Turquia só que ela trás consigo um poder maior do que a compreensão dela mesma.

A segunda história Kuarupu, se passa na floresta amazônica, onde um grupo de empresários quer ocupar uma área indígena e após a morte do líder da tribo sua esposa que é uma xama passa a usar do poder dos espíritos da natura para expulsar qualquer um que se aproxima da floresta. Porém em nome do “progresso” os governantes estão dispostos a usar qualquer meio para atingir seus objetivos.

Duas histórias bem distintas e embora a primeira seja bem mais desenvolvida (ela é dividida em dos capítulos do volume) a segunda aborda uma critica social bem mais forte sobre preservação e desmatamento, tanto que a última cena do capítulo é uma clara critica a isso.

Uma obra simples, porém muito interessante por abordar culturas totalmente distintas do Japão.

 

Por: Felipe Peixinho

Intagram: @felipepeixiinho

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s