Aquisições de Agosto – O Mês Sem Fim

E não é que pensei que esse mês não teria livros!?

Olá, tudo bem?

Agosto é um mês que se estica, comparo muito ele com as cenas que as pessoas retratam um deserto: anda, anda e anda, mas não chega em lugar nenhum. Para mim é isso que agosto significa e por ser tão esticado, eu tinha a leve impressão que não iria comprar nenhum livro, afinal o dinheiro não rende. Mas para a minha surpresa, eu consegui, não só comprar, mas também ganhei \o/

Para começo de conversa, em maio e falei que havia ganhado um livro de um amigo, mas depois fui me tocar que, na realidade, o livro que ele me deu é o volume 3 de uma trilogia… Ai já sabe né, tive que comprar o segundo volume, uma vez que o primeiro eu já tinha. Mas para a minha felicidade, em uma das minhas idas para livrarias, finalmente resolvi conhecer a Fnac da Paulista, para, além de comprar livros, participar de um evento que alguns blogs e a Editora Fundamento, mas como chegamos atrasadinhas… Comprei Dez Mil Céus Sobre Você, escrito pela Claudia Gray e lançado pela editora Harper Collins Brasil.

dez milMarguerite Caine fez o impossível, viajando por dimensões alternativas com o Firebird – uma invenção brilhante criada por seus pais, seu namorado, Paul, e o amigo da família, Theo. Mas ela também chamou a atenção de inimigos poderosos, dispostos a sequestrar, chantagear e até matar para usar os poderes do Firebird para propósitos escusos. Quando a alma de Paul é dividida em quatro fragmentos – que se encontram presos dentro de Pauls em outras dimensões -, Marguerite fará qualquer coisa e irá a qualquer lugar para salvá-lo. Mas o preço de seu retorno em segurança é alto. Se ela não sabotar os próprios pais em múltiplos universos, Paul vai continuar perdido para sempre. Mas Marguerite acredita que é possível salvar seu amor sem sacrificar a família, e para isso pede a ajuda do brilhante Theo. Os dois criam um plano para recuperar Paul e o Firebird, mas para que ele dê certo eles precisarão superar um concorrente genial e vão colocar em risco não só sua vida mas também a de todas as versões de si mesmos em várias dimensões. Desta vez a missão leva os dois aos universos mais perigosos até então- uma São Francisco dividida pela guerra, o submundo do crime de Nova York e uma Paris iluminada onde a outra Marguerite esconde um segredo chocante. Cada salto deixa Marguerite mais perto de salvar Paul – mas sua jornada revela verdades sombrias que fazem com que duvide da única constante que encontrou em todos os mundos- o amor que sentem um pelo outro.

Outro livro que comprei na promoção na Fnac foi o Eclipse escrito pelo John Banville e lançado pela editora Biblioteca Azul. Esse livro eu vi uma vez na Amazon, me interessei pela sinopse porém quando fui comprar já estava salgadinho, meio que caiu no limpo, até vê-lo ao vivo e a cores.

eclipseAlexander Cleave é, ou costumava ser, um ator. Agora, aos cinquenta anos de idade e segundo suas próprias palavras, é ‘um homem adulto numa casa assombrada, obcecado pelo passado’. O fato é que ele abandonou os palcos num rompante, quando uma apresentação rumava para o seu clímax, para, depois, isolar-se na casa em que cresceu e se entregar a uma sucessão de ‘dias vazios’, os quais ‘parecem feitos metade de tempo e metade de memória’. Neste romance ímpar, de tom lírico, o irlandês John Banville parece ressaltar a todo instante que o isolamento de Cleave é superficial ou, melhor dizendo, apenas aparente. De fato, seu narrador-protagonista está o tempo todo soterrado por uma multidão fantasmagórica, com a qual procura dialogar, ainda que sua esposa Lydia faça questão de frisar – ‘Você é teu próprio fantasma’. Assim, como se estivesse ‘condenado’ a passar seus dias ‘revolvendo palavras, frases avulsas, fragmentos de memória’, Cleave não se distancia, mas acaba por mergulhar nos outros, em Lydia, na filha Cass e, claro, nos que partiram ou estão prestes a partir. Cass, que sofre de uma enfermidade similar à esquizofrenia, é uma ausência opressora, a única pessoa capaz de resgatar o pai de sua idealizada tentativa de autoexílio para algo aterradoramente real. Banville empresta às idas e vindas de Cleave uma beleza dilaceradora. Sua voz procura se firmar como a derradeira tentativa de sustentar as paredes de um mundo que se esfarela. Ao final, depois que ‘o real adquire uma qualidade tensa, trêmula’ e tudo parece mesmo ‘fadado à dissolução’, resta-nos a certeza e, talvez, o consolo de que o esforço, pela sua própria e extraordinária beleza, não é, não pode ser inútil.

Existe uma HQ que eu quero muito ter a coleção, porém é extremamente dificil achar… pelo menos era, pois achei finalmente um site que vende HQ de tudo que é jeito que você imaginar. Só que As Mais Belas Fabulas, não foi pelo site que comprei… Adivinha… Sim! A Fnac se mostrou sendo uma mãezona pra mim, e achei em promoção um dos volumes, na realidade é o quarto volume de um arco, mas já está valendo. Sobre Homens e Ratos, escrito por Marc Andreyko e ilustrado pelo Shawn McManus, essa HQ que é dificil de encontrar foi lançada pela Panini.

As_Mais_Belas_4Ela é a agente secreta mais fashion – e letal – da Cidade das Fábulas. Mas mesmo uma lenda viva como Cindy tem suas razões para temer ratos. Uma nova raça de híbridos humano-roedores deu as caras e seus integrantes começaram uma campanha de assassinatos contra conhecidas fábulas. Nem fábulas nem mundanas, essas criaturas terríveis podem estar conectadas com quem treinou Cinderela e a resgatou de sua vida de tormento e escravidão para uma espiral de glamour, magia e aventura. Mas, desde essa noite decisiva muito tempo atrás, a Fada Madrinha de Cinderela se tornou louca e assassina – e suas sinistras e rastejantes criaturas parecem ter seguido o mesmo caminho. Resta à agente secreta número um da Cidade das Fábulas rastrear a mente por trás dos temíveis homens-ratos com a ajuda (talvez um pouquinho mais do que ajuda…) de um certo conhecido alto, bonitão e de olhos azuis. Mas há algo de mal vindo em busca de Cinderela, com contas a acertar e muito poder de fogo. Será que nossa espiã consegue escapar dessa ratoeira preparada para ela? Inspirada no épico original de Bill Willingham e executada pela equipe criativa formada por Marc Andreyko, Shawn McManus e Phil Jimenez, AS MAIS BELAS FÁBULAS – SOBRE RATOS E HOMENS apresenta mais um capítulo na saga das mulheres mais fabulosas da Cidade das Fábulas.

Agora vem a parte mais amor do dia.

Minha amiga Day  – sim a mesma autora de outras postagens no blog, me presenteou com dois livros que ela pegou em um projeto super bacana que estava rolando na estação de Pirituba no dia 26/08 do pessoal do Adote um Livro ação bem bacana que eles fazem.

Pois bem, ela pegou dois livros para mim hehe e cara, não poderiam ser livros mais legais e que eu realmente estava querendo muito:

A Sombra do Vento escrito pelo Carlos Ruiz Zafón, é um livro que eu queria a muuuuiiiitttoo tempo.

a-sombra-do-ventoTudo começa em Barcelona, em 1945. Daniel Sempere está completando 11 anos. Ao ver o filho triste por não conseguir mais se lembrar do rosto da mãe já morta, seu pai lhe dá um presente inesquecível – em uma madrugada fantasmagórica, leva-o a um misterioso lugar no coração do centro histórico da cidade, o Cemitério dos Livros Esquecidos. O lugar é uma biblioteca secreta e labiríntica que funciona como depósito para obras abandonadas pelo mundo, à espera de que alguém as descubra. É lá que Daniel encontra um exemplar de ‘A Sombra do Vento’, do também barcelonês Julián Carax. O livro desperta no jovem e sensível Daniel um enorme fascínio por aquele autor desconhecido e sua obra, que ele descobre ser vasta. Obcecado, Daniel começa então uma busca pelos outros livros de Carax e, para sua surpresa, descobre que alguém vem queimando sistematicamente todos os exemplares de todos os livros que o autor já escreveu.

Por fim, Memórias de uma Gueixa é o meu segundo presente *_*

Memórias de uma Gueixa‘Memórias de uma Gueixa’ é um romance fascinante, para ser lido de várias maneiras: como um mergulho na tradicional cultura japonesa, ou um romance sobre a sexualidade, e ainda, como uma descrição minuciosa da alma de uma mulher já apresentada por um homem. Seu relato tem início numa vila pobre de pescadores, em 1929, onde a menina de nove anos é tirada de casa e vendida como escrava. Pouco a pouco, vamos acompanhar sua transformação pelas artes da dança e da música, do vestuário e da maquilagem; e a educação para detalhes como a maneira de servir saquê revelando apenas um ponto do lado interno do pulso – armas e mais armas para as batalhas pela atenção dos homens. Mas a Segunda Guerra Mundial força o fechamento das casas de gueixas e Sayuri vê-se forçada a se reinventar em outros termos, em outras paisagens.

Bom, foi isso tudo que consegui de agosto rsrs

E você? O que tem para nos contar?

Beijos e até mais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: